Meio Ambiente

UFMG estuda dinâmica da circulação de água no município

testes podem alterar a coloração em alguns trechos


Publicado em: 26/01/2018 17:24 | Fonte/Agência: Ascom | Autor: Ascom

 

A Região da APA Carste de Lagoa Santa, incluindo Matozinhos, passará por uma pesquisa para conhecer o comportamento da dinâmica de circulação das águas nesta localidade. O projeto desenvolvido por um grupo de professores e pesquisadores do Departamento de Geologia do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, consiste em um estudo que usa traçadores corantes e hidroquímica (rodamina - coloração avermelhada e ou fluoresceína – coloração verde) dentro de sumidouros e/ou cavernas selecionadas e a sua recuperação em pontos de nascentes.

O Setor de Meio Ambiente do município foi comunicado que, os estudos que estão sendo realizados, ocasionam a mudança de cor nas águas. Por essa razão, na semana passada foi identificada uma coloração diferente nas águas do Riacho de Mocambeiro. O mesmo teste será feito no Ribeirão da Mata, no trecho que passa pelo Distrito. De acordo com a UFMG, esses produtos são completamente atóxicos ao meio ambiente e inócuos à saúde na concentração aplicada e se desfazem num período médio de 24 horas. Assim, caso sejam detectadas essas colorações em corpos d´água ou poços na região, trata-se de um efeito temporário dos ensaios.

É válido ressaltar, que o projeto possui autorização do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e do Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade (SISBio). Esses ensaios estão incluídos no “Projeto de adequação e implantação de uma rede de monitoramento de águas subterrâneas em áreas com cavidades cársticas da Bacia do Rio São Francisco aplicado à área piloto da APA Carste Lagoa Santa, Minas Gerais”